Oi. Eu sou a Carol.

Carol, isso mesmo. E não confunda com Carolina ou pior, Caroline. Não é Ana Carolina ou qualquer outra derivação. Apenas Carol!

Uma vez eu ouvi que deveríamos amar o que fazemos e fazer o que amamos. Ora! Achei que tinha ouvido a maior besteira de toda a minha vida.

“Como um coveiro pode amar o que faz? Como uma atendente de telemarketing pode amar o que faz? Como?”

Então eu assisti ao filme “Piaf — Um hino ao amor” e nele eu vi uma das últimas entrevistas que a cantora Edith Piaf concedeu à imprensa em uma praia. Nela a repórter perguntava à cantora.

— Se tivesse que dar um conselho a uma mulher, qual seria ele? Ame!

— A uma jovem? Ame!

— A uma criança? Ame!

— Você ama a vida? Sim, sim, sim.

— Qual seu lema? AMAR!

E algo dentro de mim despertou. Eu não preciso necessariamente amar meu trabalho, ou minhas obrigações. Eu preciso fazer as coisas com amor. E então a frase acima começou a fazer o maior sentido para mim.

Do what you love! Love what you do!

Então, cá estou eu, amando o que faço e fazendo o que amo. E não tenho a menor dúvida. Foi uma das melhores coisas que fiz em minha vida.

Seja bem-vindo ao meu Mundo. Acomode-se, pegue um bom livro e sinta-se em casa.

Carol